TÉCNICOS NEGROS COMANDAM APENAS DOIS TIMES DA SÉRIE A

 

Por: Ivan Silva e Luís Carlos Borges.

A história do Futebol no Brasil, sempre foi marcada pelo racismo, basta lembrar que na origem desse esporte os negros eram proibidos de participar dos jogos. Os primeiros times a aceitarem jogadores negros foram: Vasco da Gama, Ponte Preta, Bangu e Fluminense.

Quanto aos técnicos negros, a história de discriminação não foi diferente, poucos conseguiram chegar ao topo da elite do futebol brasileiro ao longo dos anos. Segundo o portal GE (2021), no passado alguns treinadores negros alcançaram destaque, como por exemplo Gentil Cardoso, que comandou uma seleção brasileira alternativa na Copa América Extra de 1959; Didi, que levou a seleção peruana à Copa do Mundo de 1970; Valmir Louruz, campeão da Copa do Brasil de 1999; Lula Pereira, que trabalhou em mais de 20 clubes e conquistou vários estaduais e Andrade, campeão brasileiro com o Flamengo em 2009

Atualmente, entre as equipes da Série A, há apenas Roger e Marcão no Fluminense e Jair Ventura na Chapecoense. Quanto a equipe Carioca, conforme o GE (2021), pela primeira vez, um clube da Série A terá dois treinadores negros, com carreiras solo na elite do futebol brasileiro, que se uniram para trabalhar em um cenário cada vez mais raro para afrodescendentes.

Assim, percebemos o quando o negro é pouco valorizado na profissão de técnico de futebol entre os times da elite brasileira, enfatizando a existência do preconceito racial e consequentemente a invisibilidade dos treinadores negros, demonstrando a necessidade de um repensar dessas questões no esporte mais popular do país.

Veja abaixo a relação dos técnicos dos times da série A do Campeonato Brasileiro em 2021 e sua respectiva cor da pele.

América Mineiro – Lisca (branco).

Atlético Goianiense – Eduardo Barroca (branco)

Atlético Mineiro – Cuca (branco)

Atlético Paranaense - Antônio Oliveira (branco)

Bahia – Dado Cavalcante (branco).

Bragantino – Maurício Barbiere (branco).

Ceará – Guto Ferreira (branco).

Chapecoense – Jair Ventura (negro)

Corinthians – Silvinho (branco).

Cuiabá – Luiz Lubel – interino (branco)

Flamengo - Rogério Ceni (branco).

Fluminense - Roger Machado e Marcão (negros).

Fortaleza - Juan Pablo Vojvoda (branco).

Grêmio – Tiago Nunes (branco).

Internacional - Miguel Ángel Ramírez (branco).

Juventude – Marquinhos Santos (branco).

Palmeiras – Abel Ferreira (branco).

Santos - Fernando Diniz (branco).

São Paulo - Hernán Crespo (branco).

Sport - Umberto Louzer (branco).

Referências

https://globoesporte.globo.com/futebol/times/fluminense/noticia/tecnicos-negros-torcem-por-roger-and-marcao-no-fluminense-e-creem-em-chances-de-dupla-abrir-portas.ghtml. Acesso em 06/06/2021.

https://www.geledes.org.br/o-negro-no-futebol-brasileiro-insercao-e-racismo/?gclid=Cj0KCQjw5PGFBhC2ARIsAIFIMNfWKaKu-oBMufV8Ymjqk63K0eE4q4DRx6kyFE-5uStLJjuWMg7cz7EaAkVJEALw_wcB. Acesso em 06/06/2021.

Fotos: Google Imagens.

Comentários