Desempregados negros na pandemia

 


Em boletim especial o Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos revelou a radiografia que revela a condição real da comunidade e negra em tempo de pandemia, relacionando os negros e não negros. O estudo baseou-se na Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua feito pelo IBGE. Segundo o estudo a taxa de desocupação entre o 4º trimestre de 2019 e o 1ºtrimestre de 2020, para os homens negros, a taxa de desocupaçãopassoude11,8%para14,0%, do primeiro para o segundo trimestre de 2020; para os não negros, de 8,5% para9,5%; e para as mulheres negras, de 17,3%para18,2%, no mesmo período.

 Na metade do ano de 2020 dos 8 milhões de pessoas que perderam o emprego, 6,3 milhões eram negros e negras, o equivalentea71% do total. Entre o 4º trimestre de 2019 e o 2ºde 2020, cerca de 72% ou 8,1 milhões de negros e negras estavam em situação vulnerável no país.

Um dado passa sempre despercebido, a taxa de subutilização. Consiste no número de subocupados por insuficiência de horas trabalhadas. Normalmente a jornada de trabalha é de 40 horas semanais, quem se encontra no rol da subutilização não ocupam toda uma jornada que são 40 horas e se dispõem a qualquer trabalho nesta lacuna existente; abarca também dos desocupados em busca de trabalho, aqueles que antes da pesquisa estavam disponíveis e os que já não creem na possibilidade de ter trabalho e não mais a busca. A taxa de subutilização da mulher negra foi de 40,5%, enquanto a de homens negros foi de 29,4%. Entre os não negros, a taxa foi de 19,1% para os homens e 26,4%, para as mulheres.

A pandemia foi extremamente cruel quando o quesito é perda real de emprego as negras com carteira assinada foram 887 mil, 620 mil sem carteira; 875 mil mulheres empreendedoras que trabalham por conta própria e 886 mil trabalhadoras domésticas. Algumas medidas tomadas pelo governo federal não foram suficientes para diminuir o  impacto no que se refere a emprego e renda relacionado a negros. Uma dessas medidas foi a Medida Provisória 936, que foi sancionada na Lei 14.020. Permite redução de jornada e salário dos empregados, ou suspensão temporária do trabalho. Em contrapartida garante a estabilidade e oferece o auxílio emergencialquepodealcançarotetodeR$1.813,03.

Mesmo assim 1,4 milhão de homens negros com carteira e o mesmo número sem carteira, mais 1,2 milhão que trabalhavam por conta própria perderam suas ocupações na pandemia.

As disparidades salariais com penalidade para a população negra já são resultado de uma série de pesquisas econômicas. Independentemente dos recortes geográficos, ocupacionais e de capacidades individuais, os trabalhadores negros se deparam com uma histórica desigualdade de rendimento. Em análise dos resultados agregados por sexo no período pós início da pandemia, nota-se que o rendimento médio no Norte e Nordeste é inferior as médias das demais regiões em todo o período considerado.  Analisando o diferencial de rendimento por grupo racial, nota-se que, mesmo no Norte e Nordeste, os negros auferem níveis de renda inferiores aos indivíduos brancos, tal resultado é persistente a todo o período.

Fonte: https://revistaraca.com.br/wp-content/uploads/2021/05/Revista-Raca-224-DIGITAL1_compressed1-1.pdf. Acesso por assinante em 20/05/2021.

Comentários