quarta-feira, 23 de maio de 2018

Pastoral da Juventude de Governador Mangabeira, realiza primeiro encontro Inter-Religioso

1 comentários



No último sábado (19/05), a Pastoral da Juventude da Igreja Católica (PJ) do município de Governador Mangabeira - Bahia, promoveu o Primeiro Encontro Inter-Religioso, com a temática: Fraternidade e a Superação da Intolerância Religiosa, com a participação de representantes das religiões evangélica, católica e de matriz africana. A atividade foi realizado no auditório do Centro Educacional Angelita Gesteira (CEAG).
Segundo Ânila Fratelis - coordenadora da PJ no município, o evento faz parte de um ciclo de atividades que a Pastoral está fazendo para pensar os diversos tipos de violências que assolam nossa realidade. "Com isso estamos caminhando em comunhão com o tema da Campanha da Fraternidade 2018 da CNBB - Fraternidade e Superação da Violência Religiosa, objetivando discutir questões religiosas e tentar compor juntos um espaço de reflexão e debate que contribua para a construção de uma harmonia religiosa', salientou a coordenadora da PJ.
Ânila, ainda mencionou que para a realização da atividade foram convidados representantes de alguns seguimentos religiosos: Pastor Jeziel  - Primeira Batista, Moysés Azevedo - Adventista do Sétimo Dia,  Ileana - Religiões de Matriz Africana (Candomblé Keto) e a Irmã da Santa Cruz - Ana Helena -  Católica.
"Aproveito a oportunidade para falar que essas atividades caminham para um momento maior, a gincana da PJ, que esse ano vai discuti a superação da violência. Assustados e preocupados com o índice de violência em nosso município, nós da PJ resolvemos desenvolver atividades que pensem essa questão, culminando em uma gincana em setembro, que tem por objetivo nos fazer refletir sobre essas questões, além de cobrar da sociedade e dos representantes legais providências cabíveis", afirmou Ânila Fratelis.
Continue lendo ...

domingo, 13 de maio de 2018

Práticas religiosas da saudosa Carmelita da localidade de Queimadas, são analisadas por estudante de História da UEFS em TCC.

0 comentários






Em fevereiro deste ano, a estudante de História da Universidade do Estadual de Feira de Santana (UEFS), Ânila Teresa Santana Fratelis, apresentou seu TCC - Trabalho de Conclusão de Curso, intitulado: FILHOS E FILHAS DO MESMO SANTO: CULTO AOS SANTOS E UM JEITO DE SER CATÓLICO NA COMUNIDADE RURAL DE QUEIMADAS (1970-1990), quando realiza uma qualifica pesquisa historiográfica acerca das prática Católicas na localidade de Queimadas, município de Governador Mangabeira –Bahia, entre as décadas de 1970 a 1990.
Um dos três capítulos da monografia é dedicado a figura da senhora Carmelita Pereira dos Santos, a qual "costumava exercer uma influência significativa, principalmente a partir de suas práticas e atividades curativas, lançando mão do auxílio dos Caboclos e Orixás (...) Decorrente de suas atividades filantrópicas e de seus dons de mediunidade a senhora Carmelita acabou se constituindo como uma figura importante não só no campo religioso de Queimadas, isto é, ela era respeitada e reconhecida em toda a região do Recôncavo e adjacência"(FRATELIS, 2018, pp. 53-59).
Ânila Teresa Santana Fratelis, nasceu na localidade de Queimadas, município de Governador Mangabeira, cursou o ensino médio no Colégio Estadual Professor Edgard Santos (CEPES), licenciou-se em História pela UEFS em 2018, atualmente está fazendo o mestrado em história por essa mesa Universidade, ampliando suas pesquisas sobre práticas católica no mencionado município.  Na elaboração do seu TCC, Ânila contou com a orientação da Professora Elizete da Silva (UEFS), que juntamente com as historiadoras Alaíze dos Santos Conceição (UNEB), também mangabeirense e Daiane Pires Pereira (UEFS), formaram a banca de defesa do seu Trabalho de Conclusão de Curso.
De maneira muito solicita e gentil, Ânila enviou a redação do nosso blog uma resumo de sua monografia:
"Na pesquisa intitulada de Filhos e filhas do mesmo santo: culto aos santos e um jeito de ser católico na comunidade rural de Queimadas (1970-1990) faço uma discussão sobre as práticas Católicas, tais como culto aos Santos, procissões, penitências e uso de folhas nas atividades de cura. Essas práticas compõem os diversos modos de ser Católico na comunidade rural de Queimadas, em Governador Mangabeira. Os fiéis Católicos de Queimadas se relacionavam com o sagrado principalmente a partir do culto aos Santos, entidades como Santo António e São Roque são emblemáticas dentro da comunidade, recebendo uma série de louvores, cantos e oferendas. 
A partir dessas devoções que os leigos da comunidade disputavam seu espaço dentro do campo religioso católico, mobilizando seus conhecimentos sobre rezas, louvores e práticas terapêuticas. Esses homens e mulheres conquistaram um espaço no campo religioso local mantendo relações de proximidade com o universo religioso afro-brasileiro, de forma criativa e natural esses fiéis se relacionavam com o universo mágico- religioso de tradição africana, mas ao mesmo tempo, seguiam as doutrinas do Catolicismo oficial, tentando se afastar, ao nível do discurso, tanto quanto possível, das religiões afro-brasileiras. 
É necessário destacar a figura das mulheres como importantes agentes religiosos, eram elas que dirigiam os cultos e puxavam as rezas, além de serem grandes conhecedoras das folhas medicinais. A figura da médium Carmelita ganhou bastante espaço dentro do imaginário e da vida dos homens e mulheres da região do Recôncavo, esta se destacava como uma grande líder religiosa que levava alento para o corpo e para alma daqueles que a procuravam. Dessa maneira percebemos que a figura feminina era de extrema importância para a manutenção da vida religiosa da comunidade rural de Queimadas".
Em outros trechos de seu TCC, a historiadora Ânila Teresa Santana Fratelis, utilizando de fontes orais, ressalta com propriedade as atividades desenvolvidas pela senhora Carmelita, principalmente no sentido do apoio religioso e para a cura de algumas enfermidades através do uso das plantas medicinais de muitas pessoas, bem como o respeito que a mesma alcançou na localidade de Queimadas e adjacências. Vejamos alguns desses trechos.
Em ambas as narrativas Dona Carmelita aparece como uma mulher que ao desenvolver suas atividades costumava ser extremamente assertiva, de maneira que recorrer a medicina institucionalizada, a partir da consulta medica, se tornava totalmente dispensável, ou quando estas aconteciam, de acordo com o depoimento de Dona Mundinha, era apenas para comprovar o receituário já indicado pela médium. Por conta dessa sua capacidade de acertar em seus diagnósticos esta líder acabou ganhando fama e atraindo pessoas da comunidade e adjacências”. (FRATELIS, 2018, pp. 54-55).
“Por conta desse dom e dessa capacidade de acertar, construiu-se sobre a figura de dona Carmelita a imagem de uma mulher forte e que detinha um dom inigualável no espaço do Recôncavo. Para além disso, em um período em que a medicina institucionalizada era de difícil acesso, principalmente para as comunidades e sujeitos pobres de cidades interioranas, como era o caso de Governador Mangabeira, a presença de mulheres que detinham dons como o de Dona Carmelita representava fios de esperanças para aplacar as dores e os sofrimentos dos mais pobres”. ((FRATELIS, 2018, pp. 55).
“As fontes orais indicam de maneira explicita o quanto a Médium Carmelita tinha prestigio e respeito na comunidade. Ainda hoje, sobrevive no imaginário da comunidade a imagem de força e caridade, indicando que os longos anos cuidado dos males do corpo e do espirito dos moradores da comunidade e região, foram de extrema importância, inclusive, para a sobrevivência de alguns”.  ((FRATELIS, 2018, p. 59).
Ânila, também no segundo capítulo da sua rica produção historiográfica, menciona a devoção de Dona Carmelita pelo santo católico – São Roque, com vinculações “sincréticas” ao orixá do candomblé Obaluaê, quando eram realizadas diversas festividade, culminando em uma procissão que saia da comunidade de Queimadas para a localidade de Bonsucesso.
“Carmelita dos Santos nasceu em 18 de fevereiro de 1920, e era vista pela população local e de territórios adjacentes como uma grande líder espiritual extremamente influente, esta, costumava promover uma procissão em homenagem mutua a São Roque e ao Orixá Obaluaê que atraia grandes quantidades de pessoas. Conforme Alaize Conceição, a homenagem mutua a São Roque e ao Orixá Obaluaê costumava acontecer no mês de agosto e o número de participante excedia o de 500 fies. Nos depoimentos colhidos os entrevistados apontam a presença de cerca de 1000 pessoas” (FRATELIS, 2018, p. 49).

"Parabenizo a Ânila, pela brilhante produção textual, uma pesquisa historiográfica relevante acerca das práticas católicas na localidade de Queimadas - Governador Mangabeira, bem como, a valorização das ações religiosas e sociais desenvolvidas pela senhora Carmelita, pessoa maravilhosa - minha madrinha de batismo, por quem tenho até hoje uma grande respeito. Ânila, realiza em sua monografia uma significativa discussão acerca das identidades e do pertencimento da localidade de Queimadas, espaço do qual, assim com Ânila sou natural. Espero que o exemplo de Ânila, sirva de exemplo para outros jovens de nossa cidade. Parabéns!!!", salientou professor Borges.

Fonte:
FRATELIS, Ânila Teresa Santana. Filhos e Filhas do Mesmo Santo: Culto aos Santos e um Jeito de ser Católico na Comunidade Rural de Queimadas (1970-1990). Monografia. Feira de Santana: UEFS, 2018.










Continue lendo ...

domingo, 6 de maio de 2018

Palestra sobre Brasil Pré-Colonial e Colônia na Escola Recanto do Saber

5 comentários



Na última quinta-feira (03/05/2018), a convite da professora Ivelise Caroline Trindade Nunes, da turma do quinto ano da Escola Recanto do Saber, localizada no distrito de Geolândia, município de Cabaceiras do Paraguaçu, o professor Borges realizou uma palestra acerca das temáticas: Brasil Pré-Colonial e Brasil Colônia. Na oportunidade, Borges enfatizou as características históricas desses períodos, destacando como os portugueses não respeitaram a cultura dos índios, bem como era o modo de vida dos primeiro habitantes do Brasil, também, salientou a utilização da cana-de-açúcar para fazer a colonização do território brasileiro, elucidando como funcionava um engenho, além de chamar atenção para a escravização dos negros e a forma de resistência ao trabalho escravizado através dos Quilombos, sendo o de Palmares como o principal, através da liderança de Zumbi.

Através de uma orientação qualificada da professora Ivelise, os alunos tiveram uma ótima participação durante a atividade, fazendo e respondendo perguntas acerca das temáticas, bem como, relacionado-as com coisas do seu cotidiano, demonstrando assim, a qualidade de ensino praticada na mencionada escola. No final da palestra, Borges foi presenteado com uma agenda e uma placa como forma de agradecimento pela realização da palestra.

"Agradeço a professora Ivelise Caroline Trindade Nunes e a diretora Maria das Graças Passos de Santana Santos, pelo convite para proferir essa valiosa palestra na Escola Recanto do Saber, bem como, parabenizo a docente e a direção da unidade de ensino pela qualidade do trabalho pedagógico desenvolvido, também, parabenizo aos estudantes do quinto ano pelo interesse e participação durante o evento, ao passo que agradeço pelo carinho como fui tratado e pelas lembranças (agenda e placa) que recebi. PARABÉNS", salientou professor Borges.   
Continue lendo ...

sexta-feira, 4 de maio de 2018

Ô Liberdade (por Armando Rocha - Alvorecer)

3 comentários

Armando Rocha dos Santos, cujo pseudônimo é Alvorecer, nasceu em 02 de dezembro de 1993, na localidade de Jacarezinho, município de Governador Mangabeira, realizou seu ensino médio no Colégio Estadual Professor Edgard Santos (CEPES) entre 2010 a 2012, licenciou-se em Pedagogia pela Universidade do Estado da Bahia (UNEB) - Salvador. Nesse percurso, sua vida foi marcada pela literatura poética, começou a escrever aos doze anos, a partir desse momento, a poesia tornou-se sua importante forma de expressão diante do mundo. Possui alguns poemas publicados provenientes de concursos literários, a exemplo, na Antologia Poética, Poetize 2017, Concurso Nacional Novos Poetas, promovido pela Editora Vivara. E no 1º Concurso de poesias poeta Adauto Borges, organizado pela Associação Batista de Ação Social em Feira de Santana-BA.


Ô Liberdade

Queremos direitos
queremos solução
queremos liberdade
liberdade sem opressão

O estado se diz democrático
mas viola o direito do cidadão
que apenas quer ser livre
para se livrar da opressão

Silencia as vozes não as deixando falar
o quanto o povo merece liberdade
para sonhar em ser livre
e se libertar

Liberdade não só de pensamento
mas também de expressão para tornar
o homem um ser crítico para sair da ilusão
em achar que o estado é o futuro da nação

"Parabenizo a Aramando Rocha - Alvorecer, pelas conquistas em sua vida, demonstrando que o estudo é o principal caminho de ascensão social, possibilitando a construção de uma visão de mundo crítica e libertária. Parabenizo, ainda pela brilhante poesia, uma temática relevante, pois a liberdade é uma conquista que o povo brasileiro não pode perder, liberdade sempre para todos e nas diversas esferas na vida humana. Parabéns"... salienta professor Borges. 


Continue lendo ...

terça-feira, 1 de maio de 2018

Diretório Municipal do PT, parabeniza os trabalhadores e as trabalhadoras mangabeirenses pelo 1º de maio

0 comentários
O Diretório Municipal do Partido dos Trabalhadores – PT, parabeniza todos os trabalhadores e as trabalhadoras, espacialmente de Governador Mangabeira pela passagem do seu dia – o primeiro de maio.

Que essa data seja de reflexão e de muita luta pela manutenção da democracia, liberdade e todos os direitos da classe trabalhadora, que vem sendo menosprezada nos níveis federal e municipal.

O Diretório, também manifesta seu total repúdio a prisão política do ex-presidente Lula e reafirma seu apoio ao maior defensor da classe trabalhadora brasileira – Luís Inácio Lula da Silva.

Ainda o PT local, repudia a forma de governar elitista e desigual dos governos municipal e federal.

PARABÉNS TRABALHADORES E TRABALHADORAS MANGABEIRENSES.

LULA LIVRE – PARA O BEM DO POVO BRASILEIRO.

Para refletir:


Pra Não Dizer Que Não Falei Das Flores
(Geraldo Vandré)


Caminhando e cantando e seguindo a canção
Somos todos iguais braços dados ou não
Nas escolas, nas ruas, campos, construções
Caminhando e cantando e seguindo a canção

Vem, vamos embora, que esperar não é saber
Quem sabe faz a hora, não espera acontecer

Vem, vamos embora, que esperar não é saber
Quem sabe faz a hora, não espera acontecer

Pelos campos há fome em grandes plantações
Pelas ruas marchando indecisos cordões
Ainda fazem da flor seu mais forte refrão
E acreditam nas flores vencendo o canhão

Vem, vamos embora, que esperar não é saber
Quem sabe faz a hora, não espera acontecer

Vem, vamos embora, que esperar não é saber
Quem sabe faz a hora, não espera acontecer

Há soldados armados, amados ou não
Quase todos perdidos de armas na mão
Nos quartéis lhes ensinam uma antiga lição
De morrer pela pátria e viver sem razão

Vem, vamos embora, que esperar não é saber
Quem sabe faz a hora, não espera acontecer

Vem, vamos embora, que esperar não é saber
Quem sabe faz a hora, não espera acontecer

Nas escolas, nas ruas, campos, construções
Somos todos soldados, armados ou não
Caminhando e cantando e seguindo a canção
Somos todos iguais braços dados ou não
Os amores na mente, as flores no chão
A certeza na frente, a história na mão
Caminhando e cantando e seguindo a canção
Aprendendo e ensinando uma nova lição

Vem, vamos embora, que esperar não é saber
Quem sabe faz a hora, não espera acontecer

Vem, vamos embora, que esperar não é saber
Quem sabe faz a hora, não espera acontecer



Continue lendo ...
 

Professor Borges Todos os direitos reservados © 2017 Ulisses D