Sem salários, roubada e vítima de maus-tratos: doméstica recomeça vida após resgate de trabalho análogo à escravidão na BA

 

A doméstica Madalena Santiago da Silva viveu 50 dos seus 60 anos sem receber salários, maltratada e roubada pela família para quem trabalhava em Lauro de Freitas, na Região Metropolitana de Salvador. Agora, após ser resgatada pelos auditores-fiscais do trabalho do Ministério do Trabalho e Previdência (MTP), tenta recomeçar a vida.

Madalena da Silva conta que, durante o período que esteve em situação análoga à escravidão, a filha dos patrões fez empréstimos no nome dela e ficou com R$ 20 mil da aposentadoria da doméstica.

“Eu estava sentada na sala, ela passou assim com uma bacia com água e disse que ia jogar na minha cara. Aí eu disse: ‘Você pode jogar, mas não vai ficar por isso. Aí ela disse: ‘Sua negra desgraçada, vai embora agora’, disse Madalena.

“Era um sábado, 21h, chovendo e eu não sabia para onde ir”, concluiu.

Atualmente, Madalena da Silva recebe seguro desemprego e um salário mínimo da ação cautelar do MPT.


A situação de Madalena é semelhante a de Leda Lúcia dos Santos, que tem 62 anos e tenta se livrar dos péssimos momentos que passou, desde os 9 anos, onde trabalhava como doméstica, sem receber salário.


A idosa afirma que vivia sob ameaças e era proibida de sair da casa onde morava, no bairro de Patamares, em Salvador.

A Justiça do Trabalho bloqueou bens no valor de R$ 1 milhão para garantia das verbas rescisórias e dos danos morais pagos a doméstica Madalena Silva, de 62 anos. A idosa foi resgatada por auditores-fiscais do trabalho do Ministério do Trabalho e Previdência (MTP) após trabalhar 54 anos sem receber salários.


De acordo com o Ministério Público do Trabalho (MPT), o pedido, acatado pela juíza Vivianne Tanure Mateus, titular da 2ª vara do Trabalho de Salvador, foi feito pela procuradora Lys Sobral, coordenadora nacional de combate ao trabalho escravo do órgão.


A juíza também determinou o pagamento de um salário mínimo até o julgamento da ação principal e o bloqueio dos bens.


A história de Madalena Silva ainda ganhou novo capítulo nesta sexta-feira (29). Ela tem uma carta de 2018, assinada pelos ex-patrões, onde estes acusam a filha deles de ter feito empréstimos no nome de Madalena. O homem fez acusações e disse que esta teria sido insensível por roubar a poupança da idosa. Ao longo da carta, ele citou que foi vítima de golpes da própria filha. O ex-patrão diz que a filha deve restituir Madalena.


Segundo apuração da TV Bahia, o ex-patrão de Madalena morreu em 2020. De acordo com o MTP, além dos empréstimos, a filha dos ex-patrões ainda teria ficado com R$ 20 mil da aposentadoria da doméstica.


Disponível em: https://g1.globo.com/ba/bahia/noticia/2022/04/29/justica-bloqueia-bens-no-valor-de-r-1-milhao-para-pagamentos-a-domestica-resgatada-de-trabalho-analogo-a-escravidao-na-bahia.ghtml. Acesso em 29/04/2022.

Comentários