ADHEMAR: O HERÓI BRASILEIRO


Adhemar Ferreira da Silva, primeiro Bicampeão Olímpico do Brasil, paulista, nasceu em 29 de setembro de 1927, de família pobre. Pai ferroviário, mãe cozinheira, o menino do Bairro Casas verde passou a infância ajudando a mãe nos seus afazeres, começou a vida como atleta com vinte anos, mesmo assim, como uma atividade secundária.

Era virtuoso e os técnicos perceberam o dom, no primeiro ano de competição, no Troféu Brasil. Em 1947 saltou 13,05m naquilo que era melhor, o salto triplo. Depois disso foi apenas sucesso, dois anos depois já era nome famoso na América do Sul, em 1949 quebrou o recorde sul-americano com 15,51m, e no ano seguinte quebrou duas vezes o mesmo recorde.

Tornou-se o primeiro homem a saltar acima de 16m, batendo o recorde mundial no Estádio Célio de Barros, anexo ao Maracanã. Tricampeão pan-americano, em 1951, 1955 e 1959, em 1955 alcançou a marca de cinco recordes mundiais.

Os feitos Olímpicos aconteceram nas Olimpíadas da Finlândia, em1952, com um salto de 16,22m e em Melbourne, na Austrália, em 1956 alcançando a marca de 16,35m. Finalizou a carreira olímpica em 1960 aos 33 anos. Embora pareça uma decadência, por toda essa década alcançar a marca de apenas dezesseis metros era algo sobre-humano, não à toa nas Olimpíadas da Austrália recebeu a alcunha de “Canguru Brasileiro”.

Adhemar Ferreira é o único brasileiro ao integrar o Hall da Fama do Atletismo, seu nome foi imortalizado em 2012, onze anos depois da sua morte.

Além dos grandes feitos no atletismo, soma-se ao currículo a formação de escultor pela Escola Técnica Federal de São Paulo, pela Escola do Exército formou-se em Educação Física, bacharel em Direito na Faculdade Nacional de Direito da Universidade do Brasil e de sobra frequentou os bancos da famosa Faculdade de Comunicação Social Càsper Libero em São Paulo, graduando-se emRelaçõesPúblicasem1990.

Adhemar Ferreira da Silva não é apenas um recordista olímpico, é um negro que nasceu no primeiro quarto do século vinte e conseguiu derrubar barreiras sociais imensas. O verdadeiro herói brasileiro.

Fonte: https://revistaraca.com.br/wp-content/uploads/2021/05/Revista-Raca-224-DIGITAL1_compressed1-1.pdf. Acesso por assinante em: 23/05/2021. 

Comentários