SOBRE A IMPORTÂNCIA DO ATO DE ESTUDAR

Por: João Paulo Alves Santana.

É notório que o estudo é, antes de tudo, uma das ferramentas mais importantes, ou a maior, para à lapidação do intelecto. E não apenas do intelecto, o resultado do estudo sistematizado, que consiste no conhecimento, tem de ser “vivo”, isto é, deve ser exteriorizado, vivenciado e difundido na prática, visto que o conhecimento é dialético.

Estudar faz com que não nos habituemos à ignorância, haja vista que fazê-lo possibilita novos horizontes, e muitas vezes, horizontes longínquos, os quais não imaginaríamos estarem disponíveis ao nosso alcance. Isso significa que devemos estudar tudo para que nos desvinculemos da ignorância? Obviamente que não, não há possibilidade de conhecermos tudo, ainda que tivéssemos o interesse pelo “tudo”, tendo em vista que o fruto do estudo, portanto o conhecimento, é vasto.

Em contrapartida, devemos estudar aquilo que importa, (importar vem do latim e significa “levar para dentro”) aquilo que nos toca, o que não significa que o estudo seja/esteja limitado ao nosso subjetivismo, o que também é um erro. É de suma importância que não confundamos informação com conhecimento, sobretudo na era em que esta vigora com bastante primazia. Informação é cumulativa e rasa, é a interpretação superficial de algo. O conhecimento, que nada mais é do que apropriação da cultura, não obstante, é seletivo e profundo e está em construção dinâmica.

Em suma, o ato de estudar permite a compreensão lógica da realidade, constitui-nos e dá sentido às coisas, além de permitir que modifiquemos o lócus no qual estamos inseridos e, por consequência disso, intencionemos à emancipação humana, isto é, o estado de completude consigo próprio, com a natureza e com a sociedade como um todo.

João Paulo Alves Santana - é estudante do curso de Educação Física da Faculdade Maria Milza - FAMAM, cursou o Ensino Médio no Colégio Estadual Professor Edgard Santos (CEPES), município de Governador Mangabeira. Além da Educação Física, possui grande interesse pela Filosofia.